voltar ao blog

Que histórias você tem contado, de você para você mesmo (a)?

29 de agosto de 2016 Artigos

Olá, tudo bem?!

Quero começar esse artigo dizendo quão encantada eu fiquei com as histórias de vida e de superação que tivemos a oportunidade de conhecer durante as Olimpíadas do Rio e, motivada por isso, decidi conversar com vocês sobre “histórias”.

Mas não as histórias de quadrinhos, de super-heróis, de filmes ou livros famosos. Eu quero falar da história que você contou e tem contado para você, sobre você mesmo (a), todos os dias.

Que histórias são essas? Se você tivesse que apresentar a história da sua vida em um palco, para um grupo de pessoas, o que você diria? Como contaria toda a sua trajetória até aqui? Você honraria a sua história, partilharia os seus aprendizados ou se lamentaria de situações, pessoas ou oportunidades perdidas?

Essa pergunta, apesar de simples, diz muito sobre você e, mais especificamente, sobre o que você tem acreditado sobre você.

Todos nós somos humanos e uma das principais características humanas é a imperfeição. Isso quer dizer que, inevitavelmente, em algum momento da sua vida, consciente ou inconscientemente você errou ou vai errar.  Você pode ter escolhido uma carreira, uma relação, uma alimentação, um carro, um apartamento, um investimento, uma vida em determinado momento e que não faça mais sentido agora. E tudo bem.

As escolhas fazem parte da nossa busca por identidade, por liberdade. E pensar diferentemente hoje não significa que suas escolhas no passado foram certas ou erradas, até porque elas trouxeram algum feedback para a sua vida (e te fizeram aprender algo).  Suas escolhas passadas influenciam o seu presente, mas não o definem.

Qualquer sensação de insucesso, de infelicidade, de falta de merecimento, de menos valia e etc. ocorridas no passado só tem efeitos no seu presente se você permitir. Sim, porque você tem escolhas e pode escolher pensar e fazer diferente a todo o tempo, basta que você assim decida.

Imagine se Thomas Edison, Walt Disney, Steve Jobs, Silvio Santos, Isaquias Queiroz e tantos outros desistissem dos seus sonhos na primeira dificuldade ou no primeiro fracasso? Não teríamos a lâmpada, o mágico complexo Disney, nos Estados Unidos, os produtos de alta tecnologia da Apple, o maior comunicador brasileiro e, mais recentemente, o atleta que mais medalhas ganhou em uma única Olimpíada.

Quando percebemos o sucesso de alguém, esquecemos que por trás dele ocorreu muita coisa. O sucesso é construído no anonimato, dia após dia, com muito trabalho, força, fé e resiliência. Todos nós possuímos harmonia, força e sabedoria e todos os recursos que precisamos para sermos felizes.

Não está feliz com a sua história? Mude-a, resignifique-a. Você é a única pessoa que pode fazer isso e, muitas vezes, essa sua insatisfação é a grande chave para a mudança.

Pense agora em 3 (três) características que gostaria de manifestar na sua vida (por exemplo: calma, produtividade e foco). Agora pense, de forma prática, o que você pode fazer no seu dia-a-dia e que contribua com a manifestação dessas características. Manifeste-as por, pelo menos, 33 (trinta e três) dias consecutivos, até que você sinta, internamente, que as está manifestando de forma natural.

Não espere a sua saúde piorar, os seus relacionamentos acabarem, você perder o emprego, ter problemas no seu relacionamento para mudar alguma coisa na sua vida. E o pior, não dê por encerrada uma história apenas porque um capítulo não aconteceu da forma como você esperava.

A sua história não é apenas uma história, mas o seu legado e você não é de determinada forma, você é um ser em transformação.

Que histórias você quer contar sobre você mesmo (a)? Que legado você quer viver e deixar para aqueles que ama?

Lembre-se: a vida acontece no AGORA e para você, não contra você.

 


voltar